Tempo de leitura: 5 minutos

À medida que 2024 se aproxima, surge uma pergunta provocativa: as chamadas “habilidades do futuro” são realmente novas, ou estamos apenas reembalando tendências antigas com um rótulo moderno? A recente pesquisa da McKinsey & Company sobre as habilidades necessárias para o futuro do trabalho lança luz sobre esta questão intrigante e aqui, queria “prosear” e provocar você com algumas questões.

A pesquisa revela uma lista de habilidades, conhecidas como DELTAs, diretamente ligadas a melhores resultados de trabalho – emprego, renda e satisfação no trabalho. Mas aqui está o “Jump of the cat”: habilidades como adaptabilidade, lidar com incertezas, autoconfiança e desenvolvimento de plano de trabalho, destacadas como essenciais para 2024, soam “surpreendentemente familiares”. Sendo que não são novidade. Elas têm sido pilares do sucesso profissional por décadas, se não séculos.

blank
A Pesquisa da McKinsey identificou 56 habilidades fundamentais que ajudarão os cidadãos a prosperar no futuro do trabalho. 56 DELTAS’ em 13 grupos de habilidades e quatro categorias

Então, qual é a verdadeira novidade aqui?

A pesquisa sugere que, enquanto algumas destas habilidades são atemporais, o contexto em que elas são aplicadas está evoluindo rapidamente. O aumento da digitalização, as mudanças nas dinâmicas de trabalho e a crescente complexidade dos desafios globais exigem uma aplicação mais sofisticada e contextual dessas habilidades tradicionais.

Essas habilidades ganham novas perspectivas e contextos com o desenvolvimento tecnológico. A exemplo da experiência revolucionaria das IAs Generativas que implicam uma mudança na forma como nos relacionamos com as tecnologias e as pessoas, modificando processos e impactando nos resultados. Contudo, essa mudança faz parte da Adaptabilidade, da visão Life Long Learning (aprendizagem para vida toda) e de outras habilidades. Mais uma vez, voltamos a questão central desse artigo. Essa adaptabilidade em 2024 pode envolver navegar em um ambiente de trabalho cada vez mais digital e globalizado, enquanto a ‘autoconfiança’ pode ser mais sobre a capacidade de se reinventar continuamente em carreiras que são menos lineares do que nunca.

Então, estamos realmente entrando em uma nova era de competências profissionais, ou estamos simplesmente reconhecendo o valor duradouro de habilidades que sempre foram importantes e como elas se transformam com o passar do tempo? Este debate não é apenas acadêmico, mas tem implicações reais para como abordamos o desenvolvimento pessoal e profissional.

Este ponto de inflexão nos desafia a refletir: estamos equipados com as ferramentas certas para o futuro, ou estamos simplesmente polindo as velhas? A pesquisa da McKinsey aponta para a necessidade de uma evolução no ensino e treinamento, sugerindo que, talvez, o que precisamos não seja de um conjunto completamente novo de habilidades, mas de uma nova perspectiva sobre as competências que sempre valorizamos.

Em um mundo que muda rapidamente, a pergunta permanece: ‘Habilidades do futuro ou estamos requentando o que sempre foi tendência?’ Como você se posicionará em 2024?

Para te ajudar nesse processo, deixo 6 destaques da pesquisa extremamente relevantes:

1. Adaptabilidade é Fundamental:

A pesquisa da McKinsey & Company destaca a adaptabilidade como uma das habilidades mais críticas para o futuro. Ela se refere à capacidade de ajustar-se rapidamente a novos ambientes de trabalho e tecnologias, uma habilidade essencial em um mundo onde a mudança é a única constante.

2. Autoconfiança na Era da Reinvenção:

A autoconfiança, tradicionalmente ligada à assertividade, agora é vista como a habilidade de se reinventar continuamente. Em um mercado de trabalho em rápida evolução, ser autoconfiante significa estar preparado para aprender, adaptar-se e evoluir constantemente.

3. Proficiência Digital Relacionada a Maiores Rendimentos:

A pesquisa revela uma correlação direta entre a proficiência digital e maiores rendimentos. As habilidades digitais, como compreensão de sistemas digitais e desenvolvimento de software, são cada vez mais valorizadas e associadas a melhores resultados financeiros.

4. Importância Crescente das Habilidades Cognitivas e Interpessoais:

Habilidades cognitivas, como desenvolvimento de planos de trabalho e habilidades interpessoais, como consciência organizacional, são essenciais em um ambiente onde o trabalho colaborativo é a norma.

5. Aprendizado ao Longo da Vida Ganha Nova Dimensão:

Com o avanço das tecnologias, como as IAs Generativas, o conceito de aprendizado ao longo da vida (Life Long Learning) adquire novos contornos. Agora, ele implica não apenas em adquirir novas habilidades, mas também em entender como a tecnologia pode facilitar e potencializar esse aprendizado contínuo.

6. Habilidades Interpessoais em um Contexto Digital:

As habilidades interpessoais devem ser recontextualizadas em um mundo cada vez mais digitalizado. Isso significa entender como comunicar, colaborar e demonstrar empatia em um ambiente onde as interações muitas vezes ocorrem virtualmente e ultrapassam barreiras culturais e geográficas.